quinta-feira, 16 de julho de 2015

Os 5 álbuns essenciais do Black Metal

          Decidi fazer esta postagem depois de ter conversado com alguns amigos sobre o Black Metal norueguês. Mais especificamente das bandas do tal Inner Circle. Tal fenômeno cultural, podemos dizer assim, ocorreu na primeira metade dos anos 1990. Há um documentário bem interessante a respeito de tal movimento onde as pessoas envolvidas diretamente com os acontecimentos dão suas versões sobre diversas coisas. Mas não vou me ater a detalhes históricos, vou falar da musica em si.
          Os cinco álbuns que vou citar aqui tem algumas coisas em comum. Todos eles apresentam seus integrantes com os rostos cobertos pelas Corpse Paints. O som é uma desgraceira só. Mas o que mais chama a atenção é a originalidade das bandas. Jovens influenciados pela cultura nórdica e unidos por algo em comum, a musica.
 A Blaze in the Northern Sky do Darkthrone foi o primeiro álbum de Black Metal a ser lançado com a sonoridade característica que o estilo precisava. Isso é comentado e afirmado por membros do Burzum e do Mayhem. Mesmo não sendo o primeiro álbum da banda, A Blaze in the Nortern Sky é a pedra fundamental deste estilo. Lançado em fevereiro de 1992 após ser gravado em agosto de 1991 no estúdio Creative onde o Mayhem já havia gravado o seu Deathcrush em 1987. Inclusive há uma dedicatória a Euronymous na capa do disco por sua importância no cenário musical na Noruega, mais precisamente no Metal Extremo. Foram gravadas seis faixas e a gravação das mesmas é referência até hoje para as bandas mais radicais de Black Metal. A sonoridade é propositalmente rudimentar, onde guitarras, bateria, baixo e vocais são gravados quase que de forma orgânica, sem nenhum tratamento de correção de equalização ou mixagem mais elaborada. É uma obra absolutamente crua. O Darkthrone era formado por Fenriz na bateria, Dag Nilsen no baixo, Zephyrous na guitarra e Nocturno Culto nos vocais e guitarra. E é o guitarrista Zephyrous quem ilustra a capa do álbum.

Burzum do Burzum foi gravado no inverno de 1992 no estúdio Grieghallen e lançado em março do mesmo ano. Foi produzido em parceria com Pytten, responsável por produzir, gravar e mixar todo o trabalho. Count Grishnach gravou todos os instrumentos e os vocais, exceto o solo de guitarra da musica War, gravado por Euronymous. Para muitos o líder do Burzum, Varg Vikernes , é um gênio e uma espécie de referência. Para outros ele é um louco que cometeu alguns crimes e apodrece na cadeia. Assim como o já citado álbum do Darkthrone, este disco tem todas as características sonoras do Black Metal tipicamente Norueguês que nascia um ano antes, porém Varg é mais melódico e melancólico, tanto nos seus arranjos como em seu vocal. Particularmente, embora total pobreza de produção, onde apenas um músico toca todos os instrumentos quase tudo em um take para cada um, usando instrumentos e equipamentos disponíveis e os piores possíveis, os álbuns do Burzum, principalmente este é de uma beleza sombria ímpar para mim. Para quem é metido a tocar todos os instrumentos num home estudio, como este que vos escreve, pode parecer fácil, mas Varg fez isso com a metade da minha idade e em 1992, sem correção de pitch e demais recursos dos Pro Tools da vida.
Diabolical Fullmoon Mysticism foi gravado em abril de 1992, no mesmo estúdio Grieghallen que o Burzum gravou seu álbum. Foi lançado pelo Immortal em 1 de julho do mesmo ano. A capa trás os três integrantes Demonaz na guitarra, Abbath  no baixo e nos vocais e Armagedda na bateria. Não é o meu disco favorito da banda, mas trás aquela sonoridade característica e quase que cuspida dos dois álbuns citados anteriormente. Embora fosse da mesma época e localidade das outras bandas, o Immortal ficou meio afastado das polêmicas e é mais lembrado pela musica e pela imagem quase cômica de seus clipes e arranjos de vocais que as vezes soam engraçados. 

De Mysteriis Dom Sathanas este album do Mayhem é o primeiro album realmente completo da banda que lançou muitos EPs e bootlegs desde 1986. Este álbum na verdade começou a ser criado em 1990 com o vocalista Dead escrevendo as letras. Para a empreitada o guitarrista chamou Snorre Ruch do Thorns e Varg Vikernes do Burzum para o baixo, além de Attila Csihar do Tormentor para os vocais. De Mysteriis Dom Sathanas conta com as ultimas letras escritas por Dead antes de estourar a cabeça com uma espingarda em 1991. Também registra as últimas gravações de Euronymous já que foi assassinado pouco tempo depois das gravações pelo baixista escalado pra gravar o álbum. Este disco trás todo este contexto trágico que resume muito bem o clima da época. Musicalmente ele é uma mescla do Mayhem de Deathcrush de 1987 com a sonoridade que o Darkthrone criara. O baterista é o Hellhammer que mais tarde tocaria em diversas bandas e tambem participaria de algumas mudanças que o Black Metal norueguês sofreria a partir do álbum que citarei a seguir.

 In the Nightside Eclipse é o trabalho mais complexo dessa leva de bandas de Black Metal que surgiam quase que ao mesmo tempo. O Emperor também teve suas polêmicas, tinha uma sonoridade mais densa e trabalhada. Soando como um caos sonoro cheio de teclados e arranjos de guitarra brigando por espaço dentro da música. As letras falavam de de magia e antigos contos nórdicos com sentidos mais profundos. Foi gravado em julho de 1993, mas lançado apenas em fevereiro de 1994. É outro que tem citação a Euronymous, porém motivada por sua morte no ano anterior. Samoth nas guitarras, Ihsahn também nas guitarras e nos vocais, Tchort no baixo e Faust na bateria registraram o que seria o segundo passo deste estilo que mais tarde abriria em outras vertentes.
Espero que tenha resumido de forma justa este curto, mas brutal período da história do Heavy Metal. Lembrando que estes registros são apenas ilustrativos e que considero mais os importantes dentro do contexto. Entretanto existem outras bandas da cena que contribuíram para que os jovens europeus dessem respaldo para este movimento que nasceu no início dos anos de 1990. Clicando nos títulos dos álbuns dá pra escutá-los na integra através do Youtube. Se agradou, a internet está cheia de matérias a respeito de tudo que aconteceu naquela época, tentei manter o foco no lado musical de cada obra nessa postagem. Talvez escreva com mais detalhes sobre alguns fatos em uma próxima postagem.

Postar um comentário