domingo, 13 de dezembro de 2015

5 excelentes bandas novas

          É muito bom ser apaixonado por Heavy Metal a mais de 20 anos. Sabe por quê? Porque você sabe exatamente o que te agrada ou não. As modinhas, propagandinhas de mídia e o diabo a quatro não te iludem. Quando se chega neste estágio você simplesmente põe o som pra rodar e curte ou não. Não tem aquele lance de ouvir escondido determinada banda porque sua galera acha poser ou qualquer outra coisa. Dai tem aquela galera que curte Led Zeppelin, Black Sabbath, entre outras, que diz que o som massa mesmo era o dos anos 70, como se você não fosse um músico tentando fazer música hoje. Tudo bem, amo essas bandas, mas acho que esse tipo de comentário é idiota. Simplesmente assim, idiota. Tudo bem se você não quiser conhecer bandas novas, faz parte. Eu tive uma fase onde só escutava Death Metal, depois só Thrash Metal e assim por diante. É legal porque você se aprofunda em determinado estilo, porém o prazer de ouvir musica transcende estilos, épocas e modas. Por isso escrevo esse texto e quero compartilhar com vocês que lêem o blog cinco bandas novas que você para, ouve e pensa: _Poxa, que baita som!

          A primeira é a Eclipse (Site oficial da banda). É uma banda sueca formada em 1999 por Erik Martersson e por Magnus Henriksson, vocalista e guitarrista respectivamente. Talvez a maior notoriedade da banda venha dos projetos em que seus integrantes, principalmente Erik, estão envolvidos nos últimos anos desde que assinaram com a Frontiers Records. Em resumo, a banda faz aquele Hard rock com pitadas Heavy, com vocais agudos e potentes e guitarras muito evidentes com arranjos de muito bom gosto. Pra quem gosta de bandas de Hard dos anos 90, o Eclipse é uma ótima pedida. Chega a lembrar um pouco do estilo Dio de fazer música, mas com aquela pegada européia de bandas como Europe e Stratovarious. O último álbum da banda Armageddonize (ouça aqui), foi produzido em três semanas e é muito interessante para quem curte Heavy/Hard, com vocais harmoniosos e guitarras pesadas e pode servir de referência para aqueles que ainda não conhecem o trabalho da banda. É claro que o pessoal mais radical não vai curtir, mas para aqueles que buscam bandas novas de Hard Rock está aqui a banda.
          Rival Sons (Site oficial) é uma banda que começou suas atividades em 2009. Original da Califórnia, esse quarteto conseguiu êxito numa tarefa que, ao longo dos anos, tem sido perseguida por diversas pessoas que buscam reproduzir o som dos anos 70. Desde seu primeiro álbum a banda demonstra um grande apresso por sonoridades vintage. Isso faz com que a música se mostre cada vez mais atemporal. Eu era um incrédulo, mas depois que ouvi os álbuns da banda eu simplesmente dei o braço a torcer. Ouça isso aqui e tire suas próprias conclusões. O clima em torno da banda é muito orgânico e visceral. Os timbres dos instrumentos e dos vocais são perfeitos para que aqueles saudosistas dos anos 70 possam se deliciar. Uma pena que o pessoal das antigas seja tão bitolado e costume ignorar esse tipo de banda. 

          Black Country Communion (Site oficial) é uma banda formada por Glen Hughes no baixo e vocais, Joe Bonamassa na guitarra e nos vocais, Jason Bonhan na bateria e Derek Sherinian nos teclados. Se você tem o filho de John Bonham na bateria, tem o vocalista e baixista do Trapeze, que tocou com Tony Iommi em um dos álbuns do Sabbath, gravou Burn do Deep Purple e é uma figura extremamente respeitada no cenário da musica pesada. Você acrescenta o guitarrista de blues mais virtuoso da atualidade e tem o ex-tecladista do Dream Theater para fechar o grupo, o que esperar? Simplesmente uma banda muito eficiente e que tem ótimas composições. Black Country Communion já nem existe mais, mas deixou três cds e um DVD de altíssima qualidade. A banda faz um Classic Rock com pitadas de Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple que pode cair no gosto dos aficcionados por essas bandas. Confira a banda aqui e se esbalde em uma viagem pelo mundo do Rock classudo e atemporal. O maior destaque é o guitarrista Joe Bonamassa que conquistou o respeito de ninguém menos que B. B. King quando era apenas um moleque. Se procurar no Youtube pode encontrar momentos em que o jovem simplesmente destrói tudo com sua Les Paul em mãos. Por sua vez Glen Hughes está cantando como sempre, sua voz ainda é a mesma, se gosta do estilo do cara aqui está mais um trabalho brilhante. Jason Bonhan cresceu com o estigma do pai, mas é um baterista muito preciso e com uma pegada muito semelhante ao falecido batera do Led, isso é excelente.
          Blackberry Smoke (Site oficial) é uma banda de Southern Rock com uma qualidade impressionante. Quando ouvi Holding All the Roses eu simplesmente me vi apaixonado pelo som de Bob Dilan e Lynyrd Skynyrd tal a influência desses caras no som do Bleckberry Smoke. Após ouvir os outros álbuns e assistir algumas apresentações da banda em festivais mundo a fora eu tive certeza que a banda veio para ficar. O Rock sulista dos Estados Unidos tem um representante muito interessante que não deve nada para nenhum outro nome do Rock mundial atualmente. Uma pena que hoje em dia as pessoas estejam tão alienadas, pois sentar para ouvir um álbum do Blackbertry Smoke tomando um Whisky e fumando um palheiro pode ser uma experiência interessantíssima para os rockeiros Old schoola apaixonados pelo lance mais acústico misturado com overdrives das antigas como dos bons tempos do Creedence. Falo tudo isso da manda e nem mesmo curto muito o estilo que eles tocam.
        Outra banda que faz um puta som, que eu pude comprovar ao vivo em 2015 é a banda do Slash. Por mais que pareça um projeto solo para quem não teve grande contato com o projeto, o que eu vi no palco e ouço nos álbuns é uma banda coesa e com muita qualidade. Slash é o guitarrista competente e carismático que sempre foi no Velvet Revolver, Snake Pit e Guns n' Roses, e isso é o mais legal de tudo. Porém sua banda é acima da média em termos de qualidade e estética Hard Rock. O vocalista Miles Kennedy é ótimo, embora sua voz seja meio enjoada quando está cantando os tons mais altos. Os álbunsApocalyptic Love e o mais recente World On Fire são trabalhos inspiradíssimos. Pena que o boato de uma possível reunião do Guns esteja tomando proporções tão grandes, não tem como Duff, Slash e Axl fazer um trabalho melhor do que o guitarrista faz atualmente. Mas para a nossa sorte os álbuns estão ai para serem apreciados. Ouça Anastasia e me diz o que achou.
          Por hoje essas são as dicas que tenho para dar. Talvez muita gente não se interesse por nenhuma dessas bandas, afinal, gosto é uma coisa muito particular, mas tenho ouvido outros estilos e esses nomes soaram realmente novos para mim. Claro que pode soar estranho falar de Slash e Glenn Hughes como novos nomes, mas o conceito estético, mesmo que seja retrô, dá um ar de rejuvenescimento na sonoridade do Rock atual. Espero que isso inspire os jovens a montarem bandas novas e com a qualidade que as bandas da velha guarda apresentavam. É exatamente isso que os nomes citados aqui estão fazendo, lançando novos trabalhos, com toda a modernidade de recursos a sua disposição, mas seguindo a tradição das bandas clássicas de Rock n' Roll.


Postar um comentário