sábado, 21 de janeiro de 2017

Aberrações ideológicas


          Uma coisa que gostaria de entender, é de onde as pessoas tiram seus conceitos mais relevantes e profundos. Quando moleque, e ainda começando a entender o mundo, via a polícia e o governo como vilões, assim como todo roqueiro daquela época. Eles representavam a antítese da liberdade, reprimindo e intimidando jovens a noite e coisas do tipo. Era normal tomar os clássicos paredões e uns tapas de brigadianos. Na década de 1980, o governo militar, que já estava caduco e não se justificava mais como regime de exceção, caiu de vez e o Brasil se sentia livre. Nessa época o PT nascia e criava músculos, assim como outros partidos que se livravam de vez do jugo militar. Os punks da época falavam em anarquia e coisas do tipo, entretanto, sempre que haviam shows de bandas punk havia briga entre grupos rivais, principalmente em São Paulo. Eram empolgante as letras de bandas como Cólera, Olho Seco, Ratos de Porão e Garotos Podres, todos pregando a liberdade e criticando de maneira ferrenha o governo opressor e corrupto. Nada mais justo, diga-se de passagem, pois no Brasil o governo sempre foi corrupto e se manteve com o dinheiro dos mais pobres. Isso é importante ressaltar, os empresários e ricos em geram, sempre beneficiaram individualmente os políticos ou grupos, os governos em si nada produzem, portanto, se mantém unica e exclusivamente do dinheiro dos pobres. Mas ai, esses mesmos movimentos começaram a se reunir em comícios do PT. Estranho isso. O PT é um dos filhos do PCB e tinha na sua linha de frente José Genuíno, José Dirceu, Dilma Roussef, entre outros ex-guerrilheiros. Será que a ideia de usar a repressão ditatorial bateu tão forte assim nos punks e rockeiros de plantão? Pode ter sido, mas ainda era difícil de entender movimentos anti governo apoiando as ideias de um partido político.
          É fácil entender que pessoas como Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso e Gilberto Gil simpatizassem com os princípios do PT, afinal, o próprio PCB era bem quisto por intelectuais e artistas, mas jovens metaleiros ou punks se sujeitarem a isso, já era em si algo bizarro? Mas até então aquelas figuras com discursos afiados eram representantes do povo, em teoria, e apresentavam uma opção supostamente honesta. Esse era o grande símbolo que tocou o povo, um líder que se originava da fome e a pobreza do nordeste e que começara a trabalhar em metalúrgica como torneiro mecânico. Não haveria como esse líder não tocar os trabalhadores explorados e os milhares de desempregados. Esses grupos já ocupavam espaço nos jornais, nas escolas e tudo o mais, no melhor estilo gramsciano de agir. Então eu via artistas da MPB pós Bossa Nova alinhados ideologicamente com Ratos de Porão e Garotos Podres. Gilberto Gil ainda ganhou um grande cargo como ministro, o que justificaria os primeiros, mas o segundo grupo? Qual o motivo? Ainda hoje não entendo. Não há nexo em punks e headbangers apoiando ideologicamente revoluções socialistas ou comunistas, pois elas nunca pregaram liberdade de tipo algum, e sim um Estado crescendo ao ponto de engolir tudo e se apropriar da vida de todos os cidadão, veja a China e a Coreia do Norte. Tudo tão distorcido quanto podem ser as coisas no Brasil. Se a música era pobre e as condições para adquirir instrumentos e equipamentos eram precárias, isso não pode ser atribuído ao governo, sendo ele da ditadura militar ou não, e sim a incapacidade do brasileiro de produzir qualidades mínimas que pudessem suprir essas necessidades. Não podemos esquecer que as grandes marcas surgiram de iniciativas individuais de pessoas em momentos de crise. Será que aquelas pessoas de camisetas pretas, cabelos compridos ou moicanos esperavam que, havendo uma revolução socialista, eles teriam mais shows, equipamentos melhores, a música se transformando em um pacto de unificação entre as pessoas? Bastava olhar para Cuba pra saber que lá Punk, Rock, Heavy Metal não são tolerados, muito menos na antiga URSS, ou no Camboja, no Vietnã, na China ou na Coréia do Norte. O maior exemplo é o do neto de Che Guevara, Canek Guevara, que teve que sair de Cuba por conta do movimento repressor a qualquer tipo de manifestação deste tipo. Isso pode ser lido no livro "33 Revoluções e cinco contos", escrito por ele.
          Mas, voltando ao Brasil. O PT chegou ao poder em 2003, após 8 anos de um governo não muito diferente ideologicamente do PSDB. Como Lula e Fernando Henrique sempre falaram, eles nunca foram inimigos ideológicos, apenas adversários políticos, lutavam por cargos, não por diferentes sistemas de governo. O PT já estava consolidado como partido, já tinha grande apoio de outros países através do Foro de São Paulo, que se manteve no anonimato no Brasil, e o que se mostrou foi algo previsível, para muitos entendidos no assunto não para mim, evidentemente. O PT já tinha a CUT, MST, UNE, todos os sindicatos, a mídia popular e mais a mídia identificada com o partido, atores consagrados, jornalistas influentes, músicos e jovens estudantes. E todos estes movimentos organizados, mais os empresários investindo pesado, sim, os famigerados empresários tão criticados pelo PT e aliados, foram quem garantiu a eleição e a governabilidade de Lula. Desde 2005, apareceram evidências de corrupção como a morte do prefeito Celso Daniel, o mensalão, envio de dinheiro para Cuba, Venezuela, Angola, etc. Nada disso mudou a percepção das pessoas sobre a verdeira motivação do partido e sua forma de agir. José Genuíno foi pra cadeia, Palocci, todos homens fortes do PT, mesmo assim, ainda pairava certo ar de inocência e honestidade em torno da estrela. Mesmo a participação das FARC no Foro de São Paulo, a amizade de Raul Reyes com Lula, os contatos com o MIR chileno, puderam manchar a imagem do PT perante a sociedade.
          No governo Dilma tudo piorou. Esperava-se o maior investimento de recursos externos para o Brasil por conta da Copa do Mundo e das Olimpíadas do Rio. Empreiteiras recebendo recursos fartos e repassando o dinheiro para os políticos, de todos os partidos aliás. Uma festa que terminou em uma crise econômica nunca vista no país por conta do Petrolão. A maior estatal do país sendo erguida ao patamar de potência da América Latina, para ser usada como principal ferramenta de lavagem de dinheiro para políticos e empreiteiros. A Operação Lava Jato indicia e prende muitos deles, outros por manobras rasteiras, continuam soltos. O país se divide entre nós e eles, coxinhas e petralhas, e mostra o quanto o povo brasileiro é burro. Acham que a queda de Dilma, os esquemas de corrupção, que levaram políticos pra cadeia, mas que prenderam mega empresários também, é plano do PSDB e do PMDB pra acabar com o PT. Essa é a antiga tática da dualidade escolhendo um aliado como sendo o adversário, do mimimi reclamando que há perseguição de fascistas contra os representantes do povo. Meus amigos prestem atenção, Romero Jucá foi líder de governo de FHC, importante no governo de Lula, atuou ativamente no governo Dilma e era pra ser forte no governo de Temer, mas as acusações de corrupção não deixaram, mas ele continua presente e ativo no governo. Geddel Vieira Lima, também tem livre acesso junto ao PSDB, PT, PMDB, entre outros, sendo muito querido por todos partidos. Renan Calheiros do PMDB era grande aliado de Dilma, e está ai com seus doze processos nas costas, aí só o Lula e os petistas são inocentes vitimas de conspiração? Aqueles que atraíram José Alencar, homem forte do empresariado, para sua chapa buscando ter o apoio dos empresários, que chamou seu maior adversário político de campanha, Ciro Gomes, para ocupar um ministério quando o PT assumiu o governo. Que sentaram ao lado de Sarney, aquele tão atacado anteriormente, para ter o apoio do PMDB em troca de financiamentos de campanha e aliança política? É difícil acreditar que tudo isso aconteça a luz do dia e não represente nada.
          Temos partidos como PC do B tentando mostrar a todos que os comunistas e socialista são os bonzinhos e defensores da liberdade, quando a história mostra que Stalin e Mao Tse Tung foram os maiores genocidas da história. Onde está a coerência? Defensores da liberdade cantando em verso e prosa louvores a militares assassinos confessos e criticando a ditadura militar no Brasil? Jovens com camisetas do Kiss, Black Sabbath, Iron Maiden, Metallica, Sex Pistols, Ramones, Slipknot, Korn, todas bandas americanas ou inglesas, apoiando Cuba, Venezuela, Bolívia xingando a plenos pulmões os países capitalistas que produzem grande parte das coisas que eles amam? Onde esse pessoal estudou? Será que Paulo Freire conseguiu realmente transformar o cérebro de estudantes, com seu método de ensino, em gelatina pura e sem sabor. As pessoas não conseguem ter um pensamento real e crítico? Querem liberdade, mas apoiam ditaduras comunistas, criticam a corrupção e defendem o governo mais corrupto da história, lutavam contra o governo e agora apoiam um estado inflado e corrupto. Onde está a coerência? Imagine que pessoas admiram sistemas de governo como o da Coréia do Norte e a total manipulação do governo sobre os governados e criticam a Coréia do Sul, que exporta cientistas e tecnologia para o mundo. Preferem a China, que abriu o mercado para o capitalismo estrangeiro, coisa execrável para os revolucionários, para vender a mão de obra de seus trabalhadores, a mais barata e desvalorizada do mundo, para não morrerem de fome, do que o Japão e sua afirmada liderança tecnológica e estrutural. Só para falar de países de um mesmo continente e culturas parecidas.
          A gente pára e lembra de grandes shows do Iron Maiden, Metallica, Sepultura, Pantera, Deep Purple, Led Zeppelin, Queen e outros tantos nomes do Rock e Metal mundial, e pensa que se o mundo fosse socialista ou comunista nada disso existiria. Ai olha numa ocupação de escola ou faculdade, jovens pregando as teorias de Marx, Gramnsci, Rousseau e que não fazem ideia de que existam coisas como von Mises, Roger Scruton, entre outros tantos pensadores que ofereceram opções inteligentes e tangíveis para a sociedade e as pessoas, defendendo regimes e teorias que não deram certo em lugar algum no mundo, a não ser nas cabeças deles por conta de uma doutrinação sistemática e eficiente. Assim como o nazismo, em muitos países é crime pregar o comunismo, pois Hitler não é mais sanguinário que um Moa Tse Tung, um Stalin ou um Pol-Pot da vida, com a diferença que ele matava especificamente judeus, não alemães ou arianos como ele. Já os outros, mataram milhões de compatriotas que apresentavam alguma resistência aos planos de seus líderes. Sei que haverão belas desculpas e justificativas prontas, e que eu já conheço todas, para rechaçar essas teses, que julgo serem baseadas em fatos históricos não em livros de teoria, e dificilmente alguém vai parar e refletir a respeito disso tudo. Isso não me surpreendente, pois acho impossível que metade ou mais dos brasileiros hoje em dia, tenha qualquer capacidade de raciocínio lógico, principalmente os mais jovens e os que ainda são estudantes. De um país que defende um ex-presidente, que além de ser semi analfabeto, ainda é um dos maiores corruptos deste país, não pode se esperar grandes coisas de seu povo.
Postar um comentário